eu não conheço o frio

paul tearle

luvas, boinas, gorros, polainas. tenho uma pequena coleção delas, mas se usei uma vez cada, foi muito. tentei procurar pelo frio para conhecê-lo mas não estive à sua altura: sempre é preciso pouca lã. não tive momentos de nariz vermelho, nem posso dizer que pegaria lenhas na floresta. 14 graus é o meu parâmetro de inverno e, por isso mesmo, não me tornei íntima de sua graça. aqui, basta entrar em casa que o frio passa. as lembranças com ventos gelados são escassas, os dedos tortinhos dentro de luvas é raro, o contato com a neve é imaginário. preciso viajar quilômetros atrás de fondue e bolinhas congeladas. preciso aumentar a potência do freezer para fazer cubos de gelo, abrir a janela para sentir o vento fresco no rosto, sair sem jaqueta para dizer que estamos no inverno.

Anúncios