meninices

e tem quem ache que me conheça. aquela pessoa que diga que eu sou isso ou aquilo outro. mas na verdade, ri, não sou nada disso que ela pensa que é. sou menos e mais. às vezes nem tanto mas posso ser. encabulei ao ouvir tamanha ousadia – talvez a ideia fosse me testar, não sei, pessoas tem disso – só sei que não gostei, afinal, aquilo eu não sou nem nunca fui. posso até ter sido algum dia na minha vida mas esse dia foi um em que ela não me conheceu então porque dizer isso agora?

voltei a sentir meninices. daquelas que fazem a gente soltar beicinhos na frente do espelho, despejar pequenos rajados de lágrimas, dar de ombros pro acaso. emburrei como se não houvesse amanhã e estou no meu casulo fechada em pensamento. tudo por causa da santa frase despejada há alguns dias pela criatura: “mariana, você é deveras ingênua, me desculpe, mas você o é”. ouvir isso acabou com meus sonhos de emancipação mais loucos, com os meus gritos de liberdade mais insanos, com os meus planos de madrugadas extensas com o namorado. a primeira reação foi de dúvida, claro, por quê raios ela disse isso? depois, a raiva, afinal, pra quê eu preciso ouvir isso agora, na altura da vida? e, semanas depois, cá estou com os meus poucos botões (as roupas de hoje estão com cada vez menos deles), refletindo sobre essa afirmação tão constrangedora sobre mim mesma… e se eu for mesmo esse poço de ingenuidade?

sinceramente, espero que não. ralei pra chegar até aqui, viu? foram muitos sapos engolidos, consequentemente, muita indigestão. tive tanto trabalho para me sentir uma (futura?) adulta segura e cheia de força para, em plena quinta-feira pós trabalho, ouvir uma crítica tão dura? só sei que me sinto de volta à estaca zero, de volta à prancheta de estudos e sem muita perspectiva. talvez a ingenuidade me fez enxergar mais madura que eu realmente seja e a realidade, gélida e dura, veio me dar um empurrão bem malicioso. já não sei se sinto raiva dela, de mim mesma ou por ser tão ingênua a ponto de acreditar na primeira pessoa que fale qualquer coisa sobre mim a ponto de me tirar tão fora do sério assim. trocando em miúdos, pura meninice…

Anúncios